A influência de Aleister Crowley na obra de Raul Seixas

Publicado por

Edward Alexander Crowley, mundialmente conhecido como Aleister Crowley, foi um influente ocultista inglês nascido em 1875, responsável pela criação da filosofia Thelema, cujo princípio é “faze o que tu queres, pois é tudo da Lei”. Não por acaso, a frase é a mesma do refrão de Sociedade Alternativa, lançada em 1974 por Raul Seixas e Paulo Coelho.

Isso porque, naquele período, a dupla se envolveu com uma ramificação brasileira da Ordo Templi Orientis (O.T.O.), organização ocultista reformulada pelo próprio Aleister Crowley e dedicada a propagar o chamado Livro da Lei. Esse fato explica a influência da filosofia Thelema nas composições de Raul Seixas e Paulo Coelho nos anos 1970, sendo a mais perceptível delas no disco Novo Aeon, de 1975, mesmo ano em que foi oficialmente fundada no Brasil a primeira organização thelemista que se tem notícia: a Sociedade Novo Aeon.

O próprio Raulzito declarou que o LP Novo Aeon “é todo em cima do Livro da Lei” e, além disso, algumas faixas desse álbum foram compostas em parceria com o thelemista Marcelo Motta, membro de seitas ocultistas, idealizador da Sociedade Novo Aeon e instrutor de Paulo dentro da O.T.O. Por isso há canções no álbum que pregam o amor livre (A Maçã) e questionam a visão cristã de Lúcifer (Rock do Diabo), preceitos difundidos dentro da organização.

Sociedade Alternativa foi composta a partir do Liber Oz, um livreto de 1941 de autoria de Aleister Crowley considerado a declaração thelêmica dos direitos do homem e da mulher. É justamente essa publicação que Raul Seixas sempre lê ao público nas execuções ao vivo da música. Na canção A Lei, de 1988, o roqueiro gravou o Liber Oz na íntegra.

Aleister_Crowley_1310
O ‘bruxo’ influenciou gerações

Lei da Vontade

De modo simplista, a Lei de Thelema pode ser explicada como Lei da Vontade, sendo resumida ao “faze o que tu queres, pois é tudo da Lei”. No entanto, segundo essa filosofia, Thelema não é qualquer vontade ou desejo comum, de caráter hedonista, mas sim a Vontade da Vida ou Verdadeira Vontade, que sequer pode ser impedida. Essencialmente, seria o propósito de vida de cada um.

Bruxo

Crítico social, ocultista, enxadrista e adepto da “magia sexual” e do efeito místico das drogas, Aleister Crowley se rebelou contra o Cristianismo em pleno início de século XX. Não acreditava em Céu ou Inferno. Despertou a ira da Igreja e o repúdio de grande parte da população. Foi taxado como “o homem mais perverso do mundo” pela sensacionalista imprensa de seu tempo. Foi chamado de pedófilo, bruxo e satanista. Crowley parecia gostar da má fama e chamou a si mesmo de “A Besta 666”.

Mesmo sendo combatido pela sociedade de sua época, Crowley alcançou a redenção após sua morte influenciando gerações de escritores, músicos e cineastas, incluindo Jimmy Page, Alan Moore, Bruce Dickinson, Marilyn Manson, Kenneth Anger, David Bowie e Fernando Pessoa. Por sua importância, o “bruxo” inglês é uma das figuras na capa de Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, dos Beatles.

Crowley deu o nome à sua obra de Magick, com k, para diferenciar de tudo o que já havia na época referente ao ocultismo. Por isso que a música Love is Magick, de Raul Seixas, é escrita desta forma. Inclusive, na versão lançada no álbum Documento, Raul canta “under will, love is the law”, fazendo referência a outra citação do Livro da Lei de Crowley: Amor é a Lei, amor sob vontade.

Apesar do caráter místico do pensamento de Crowley, a influência sobre a obra de Raul Seixas é, acima de tudo, filosófica. São poucas as músicas do roqueiro que abordam magia e religião. O que mais influenciou a discografia do cantor baiano foram os ideais libertários e de liberdade de Crowley, como prega a Sociedade Alternativa. E, ao contrário de Paulo, Raulzito nunca manteve vínculo com a O.T.O. ou com qualquer outra sociedade esotérica, preferindo sempre uma interpretação pessoal do pensamento do ocultista inglês e de outros filósofos, como o alemão Arthur Schopenhauer.

6 comentários

Deixe uma resposta