O ano é 1966. Edith Wisner, norte-americana, filha de pastor protestante, se apaixona justamente por um “roqueiro vagabundo”, chamado Raul Seixas, que fazia shows com sua banda em Salvador. O pai de Edith, obviamente, não aprovou o namoro e mandou a filha estudar durante um ano nos Estados Unidos, para esquecer a paixonite.

Não era paixonite. O casal trocou cartas durante todo o ano. Mas o Rock não era bem visto pela sociedade da época e, por isso, o pai de Edith não queria ter um roqueiro como genro. E, por pressão de Edith e da família dela, Raul decide abandonar sua carreira musical com Os Panteras. Para conquistar a confiança do sogro, Raul prestou vestibular para Direito e foi aprovado entre os primeiros lugares.

Em 1967, Raul e Edith enfim se casaram. Em pouco tempo, Raul retomou a carreira com sua banda e, atendendo a um pedido de Jerry Adriani, foi para o Rio de Janeiro, levando Edith e a banda Os Panteras. Gravaram um LP, mas não foram bem-sucedidos na Cidade Maravilhosa. Um a um, voltaram a Salvador. Três anos depois, Raul e Edith retornariam para a capital fluminense, onde Raulzito conseguiria um emprego como produtor da CBS. Nessa época, nasceu a filha do casal, Simone.

1 (65)
Os Panteras marcaram presença no casamento de Raul e Edith

Edith acompanhou a meteórica ascensão de Raul Seixas nos anos seguintes. Viu o marido se juntar a Paulo Coelho e fundar a Sociedade Alternativa. E por causa dela, se ver obrigada a deixar o Brasil. O retorno ao país, porém, seria um prenúncio do fim do casamento.

Os registros da época relatam que Raul decidiu passar uma temporada em Brasília acompanhado de Gloria Vaquer, irmã de seu guitarrista Jay Vaquer, que viria a ser sua segunda esposa. Edith foi pega de surpresa e precisou ser amparada pela família Seixas em Salvador.

Magoada, ela decide ir embora para os Estados Unidos, sua terra natal, levando a filha do casal. Raul nunca mais voltaria a vê-las. Como cantou na melancólica Cantiga de Ninar, pode dar a Simone apenas o sobrenome. Ou nem isso, já que hoje Simone usa o sobrenome Vannoy. O roqueiro se emocionava sempre que assistia as imagens de Edith e da filha gravadas em Super 8.

Edith casou novamente em terras norte-americanas e jamais falou publicamente sobre seu relacionamento com Raul, até hoje preferindo não se manifestar a respeito. Ela e a filha Simone continuam vivendo nos Estados Unidos.

Raul Seixas e Edith Wisner 4
Com o fim do casamento, Edith voltou aos EUA com a filha